Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Funarte lança coleção inédita com todas as peças de Plínio Marcos

Um dos mais importantes dramaturgos do teatro brasileiro e o que mais sofreu a ação da censura durante a ditadura militar, Plinio Marcos (1935-1999) tem finalmente lançada uma coletânea inédita de suas 29 peças, distribuídas em seis volumes. A iniciativa partiu da Fundação Nacional de Artes (Funarte), vinculada ao Ministério da Cultura, e o lançamento ocorreu na noite de terça-feira (5) na Livraria da Travessa do Shopping Leblon, na zona sul do Rio.

Coleção Plínio Marcos – Obras Teatrais foi editada com a última revisão de conteúdo feita pelo dramaturgo e inclui dez textos que estão sendo publicados pela primeira vez. Coube à atriz Walderez de Barros, ex-esposa do autor teatral e mãe de seus três filhos, estabelecer a versão final das peças.

Nos seis volumes estão textos consagrados, como Navalha na CarneDois Perdidos numa Noite SujaO Abajur Lilás e Quando as Máquinas Param. O organizador da publicação é o crítico e professor de literatura da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Alcir Pécora, que acrescentou a cada livro análises dos textos de Plínio Marcos.

De acordo com Pécora, cada um dos volumes foi definido com base numa linha temática principal, “distinta em termos de significação e de composição, a ponto de ser possível destacá-la no conjunto da obra”. Ele destacou que o objetivo da coleção é dar ao público uma versão “absolutamente confiável” das peças do dramaturgo, baseada sempre na última modificação feita por ele próprio.

“Um autor da grandeza de Plínio Marcos tem o direito de ter o conjunto da sua obra publicada de maneira correta e fidedigna”, disse Alcir Pécora. Estudioso da obra do dramaturgo, ele adotou o critério de publicar na coletânea apenas as peças cujos originais, ou mesmo cópias, constassem do acervo de forma íntegra, e dadas como finalizadas pelo próprio Plínio Marcos.

O primeiro volume, Atrás desses Muros, reúne as peças cujos personagens encontram-se na prisão, como é o caso de Barrela, primeiro texto teatral de Plínio Marcos, lançado em 1958. O segundo livro, Noites Sujas, mostra personagens sem ocupação ou subempregados, no limite da sobrevivência nas grandes cidades, e nele estão duas das mais conhecidas – e encenadas – peças do autor, Dois Perdidos numa Noite Suja (1966) e Quando as Máquinas Param (1967).

Clássico da obra de Plínio, Navalha na Carne (1967) é uma das peças do volume 3, Pomba Roxa, que reúne os textos que giram em torno da figura da prostituta. Para Alcir Pécora, a protagonista dessa peça, a prostituta Neusa Sueli, “é provavelmente a personagem mais célebre de toda a sua dramaturgia”. Outras peças famosas que integram esse volume são O Abajur Lilás (1969), e Querô, uma Reportagem Maldita (1979).

O quarto volume, Religiosidade Subversiva, traz as peças que o próprio autor reuniu num livro, com esse tema e com o mesmo título – e mais o texto O Homem do Caminho. Nele estão textos como Jesus-Homem (1978) e Madame Blavatsky (1985).

No reino da banalidade, o volume 5, reúne textos em que se destaca a descrição dos “hábitos pequeno-burgueses” – crítica, cômica ou tragicômica - como Signo da Discoteque (1979), O Bote da Loba (1997) e A Dança Final (última versão, de 1998). E, finalmente, o sexto volume,Roda de Samba/Roda dos Bichos, apresenta o teatro musical - Balbina de Iansã (1970), Feira Livre (1976) e O Poeta da Vila e seus Amores (1977) - e também a obra infantil de Plínio Marcos.

Fotos, cartazes, imagens de textos escritos à mão pelo dramaturgo e outras curiosidades, como ingressos teatrais, ilustram a obra. A iconografia tem a assinatura de Ricardo Barros, filho de Plínio.

Trajetória

Paulista da cidade de Santos, Plínio Marcos foi camelô, palhaço, ator, dramaturgo, diretor teatral e escritor. Além das peças concluídas, deixou quatro inacabadas, além de outros textos literários, e também foi jornalista. Recebeu oito prêmios Molière de melhor autor, entre as 37 premiações que obteve, e suas peças foram traduzidas, publicadas e encenadas em espanhol, francês, inglês e alemão, além de terem sido adaptadas para o cinema e a televisão.

No período mais autoritário do regime militar, após 1968, o teatro de Plínio Marcos era sistematicamente censurado. Navalha na Carne e Dois Perdidos numa Noite Suja chegaram a ser interditadas em todo o país.

Considerado “maldito” pela ditadura, ele foi preso várias vezes, mas a perseguição política e a censura não fizeram com que ele desistisse. Quando foi impedido de produzir, dirigir e atuar em teatro, escreveu contos, novelas, reportagens e crônicas e atuou como ator em telenovelas.

Plínio Marcos morreu aos 64 anos, em São Paulo, após dois derrames e uma infecção pulmonar. Em reconhecimento à grandeza de sua obra como dramaturgo, em 2001 a sala de espetáculos da Fundação Nacional de Artes em Brasília passou a ser chamada de Teatro Funarte Plínio Marcos.

Fonte: Jornal do Brasil, 06/09/2017

Disponível: http://www.jb.com.br/cultura/noticias/2017/09/06/funarte-lanca-colecao-inedita-com-todas-as-pecas-de-plinio-marcos/

registrado em:
Fim do conteúdo da página