Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Chile condena 20 ex-agentes por crimes durante a ditadura militar

Ex-membros da polícia secreta de Augusto Pinochet são mandados à prisão por participação no sequestro, tortura e assassinato de 12 pessoas entre 1975 e 1977. Maioria das vítimas veio da Argentina, Paraguai ou Bolívia.Quase trinta anos após o fim da ditadura militar no Chile, um tribunal do país condenou à prisão vinte ex-agentes da polícia secreta do ex-ditador Augusto Pinochet, por crimes cometidos durante o período. As penas imputadas variam entre 100 dias e 17 anos de detenção.

 

Centenas de pessoas ainda estão listadas como prisioneiras desaparecidas durante a ditadura de Pinochet
Foto: DW / Deutsche Welle

 

Os réus foram condenados pelo sequestro e assassinato de 12 pessoas entre 1975 e 1977, no âmbito da chamada Operação Condor, uma campanha conjunta de repressão política promovida por ditaduras de direita na América do Sul com apoio dos Estados Unidos.

A maioria das vítimas era militante de esquerda e foi sequestrada na Argentina, no Paraguai ou na Bolívia. Acredita-se que elas foram levadas à força ao Chile para depois serem torturadas e mortas. Algumas ainda listam oficialmente como desaparecidas.

O Chile e esses outros três países "não só concordaram em deter as vítimas, mas também criaram as condições para aprisionar e trazê-las para o nosso país sob um plano sinistro de confiná-las em locais secretos para interrogar, torturar e, com crueldade extrema, eliminá-las", diz o juiz Mario Carroza na decisão proferida nesta sexta-feira (21/09).

Dois dos ex-agentes, Christoph Willike Floel e Raúl Iturriaga Neumann, foram condenados a 17 anos de prisão. Outros cinco réus receberam a pena de 15 anos; dois foram sentenciados a 10 anos; três ex-agentes, a sete anos; e outros quatro, a cinco anos de prisão.

Os quatro acusados restantes foram condenados a apenas 100 ou 300 dias de cárcere, por terem sido identificados como cúmplices dos crimes.

Todos eles foram agentes da chamada Direção de Inteligência Nacional (Dina), a polícia secreta da ditadura militar de Pinochet (1973-1990). O órgão opressor funcionou entre 1973 e 1977, quando foi substituído pelo Centro Nacional de Informações (CNI).

Apesar dos poucos anos em vigor, a Dina foi responsável por vários casos de infiltração política e violações de direitos humanos, incluindo assassinatos, sequestros, estupros e tortura.

Segundo dados oficiais, cerca de 3.200 chilenos foram mortos por agentes do Estado durante a ditadura Pinochet, dos quais 1.192 ainda são listados como prisioneiros desaparecidos. Além disso, estima-se que 33 mil pessoas foram torturadas e presas por razões políticas.

 

Fonte: Deutsche Welle, Terra, 22/09/2018
Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/chile-condena-20-ex-agentes-por-crimes-durante-a-ditadura-militar,8d4154b8753eb785dceca35ca43c6f7cb8omor8r.html 

registrado em:
Fim do conteúdo da página