Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Ossada de sindicalista morto pela ditadura é identificada após 47 anos

Foi sequestrado em maio de 1971

Era militante do grupo armado VPR

Também foi líder sindical bancário

 

O sindicalista Aluizio Palhano desapareceu em São Paulo durante o regime militar, em maio 1971

 

PODER360
03.dez.2018 (segunda-feira) - 22h42

A CEMDP (Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos), do Ministério dos Direitos Humanos, anunciou nesta 2ª feira (3 dez.2018) que identificou os restos mortais do bancário e sindicalista Aluizio Palhano Pedreira Ferreira, dado como desaparecido político desde 1971, quando tinha 49 anos.

O anúncio foi feito durante o 1º Encontro Nacional de Familiares de Pessoas Mortas e Desaparecidas Políticas, em Brasília.

De acordo com a CEMDP, Aluizio Ferreira era um militante do grupo armado Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), que teve o capitão Carlos Lamarca como uma das principais lideranças. No período anterior à deposição de João Goulart, ele também era o principal líder sindical bancário no Brasil.

Aluizio Palhano já havia sido incluído, em 2014, na lista dos mais de 400 desaparecidos políticos do regime militar feita pela Comissão Nacional da Verdade (CNV), após investigações, quando foi considerado morto pelo regime militar.

Por meio da assessoria, a coordenadora-geral de Direito à Memória e à Verdade do MDH, Amarilis Tavares, disse que a possibilidade de identificação de Aluizio Palhano era considerada “muito remota”.

No entanto, Amarilis afirma que a identificação se tornou possível após o caso do sindicalista ter sido incluído no processo de identificação das ossadas remanescentes de uma vala clandestina no cemitério clandestino Dom Bosco, em Perus, na zona norte de São Paulo.

A vala foi descoberta em 1990. No local, vítimas da ditadura militar foram jogadas após estarem mortas, segundo a CNV.

O dossiê da CEMDP, com as conclusões sobre a identificação, foi apresentado à família do sindicalista. A irmã de Aluizio Palhano, Márcia Ferreira Guimarães, disse que a identificação do irmão vai permitir que a família agora tenha direito ao luto, 47 anos após o desaparecimento.

ENTENDA O CASO DE ALUIZIO FERREIRA

Após investigação, a Comissão Nacional da Verdade concluiu que Aluízio Ferreira foi sequestrado por agentes da repressão no dia 9 de maio de 1971, em São Paulo. Indícios apontam que ele teria sido entregue às forças de segurança pelo agente infiltrado José Anselmo dos Santos, conhecido como cabo Anselmo.

Sua prisão e morte foram denunciadas pelo preso político Altino Rodrigues Dantas Jr., em carta enviada do Presídio Romão Gomes, de São Paulo, em 1º de agosto de 1978, ao general Rodrigo Octávio Jordão Ramos, ministro do Superior Tribunal Militar (STM) que se posicionava contra as violações de Direitos Humanos.

Testemunhas informaram à CNV também que o sindicalista foi levado à sede do DOI-Codi, em São Paulo, à época comandado pelo então major Carlos Alberto Brilhante Ustra, onde teria passado por sessões de tortura.

A prisão de Palhano também foi testemunhada por outros presos políticos, entre eles o militante do MR-8 Nelson Rodrigues Filho, filho do conhecido dramaturgo brasileiro, que esteve com ele no DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna), do Rio de Janeiro.

De lá, Ferreira teria sido levado à sede do Centro de Informações da Marinha, no Rio, e ao centro clandestino conhecido como “Casa da Morte de Petrópolis”, antes de ser levado de volta à capital paulista, onde foi novamente torturado e, finalmente, assassinado.

Inês Etienne Romeu, sobrevivente do sítio clandestino em Petrópolis, afirma, em seu relatório de prisão, que Palhano foi levado para lá no dia 13 de maio de 1971. Ela disse ter ouvido várias vezes sua voz durante os interrogatórios.

Afirmou, ainda, que Mariano Joaquim da Silva, desaparecido com quem ela conversou durante o sequestro de ambos na Casa de Petrópolis, viu a chegada de Palhano em “estado físico deplorável”, resultado das torturas.

(com informações da Agência Brasil)

 

Fonte: Poder360, 03/12/2018
Disponível em: https://www.poder360.com.br/governo/ossada-de-sindicalista-morto-pela-ditadura-e-identificada-apos-47-anos/ 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página