Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

De torturada a ativista: A história de sobrevivência de Eliana Rolemberg


“A ideia de que lutar por direitos é defender bandido foi muito bem orquestrada, mas é mentirosa."


21/01/2019 00:00 -02 | Atualizado Há 5 horas

 

Eliana Rolemberg é a 320ª entrevistada do "Todo Dia Delas", um projeto editorial do HuffPost Brasil
JUH ALMEIDA/ESPECIAL PARA O HUFFPOST BRASIL

 

Ela viveu um tempo em que sentir medo era regra. Em que defender ideais era considerado “subversão”. Passível de tortura. De morte. Não havia liberdade. Muito menos garantia de direitos. Durante os anos 1970, no auge ditadura militar, a socióloga Eliane Rolemberg, hoje com 74 anos, foi levada a uma prisão clandestina e, durante 20 dias, torturada. Em uma sala pequena, ela lembra, somavam-se oito algozes. “Um deles, tenente do Exército, que se dizia pertencer à Igreja Batista, lia trechos da Bíblia enquanto assistia”, conta em entrevista ao HuffPost Brasil. O inferno que viveu, embora nunca esquecido, construiu uma sobrevivente com sede de transformação.

Eliane fazia parte do grupo de estudantes que realizou uma ocupação na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) para fazer oposição à relação da Igreja Metodista com os Estados Unidos, e criticar publicamente os crimes cometidos pelo regime militar no Brasil. Eles não só realizavam ocupações, como também pesquisas acadêmicas. Todo o material era guardado na casa do tio de um dos estudantes, que descobriu e fez uma denúncia.

 

"Posso dizer que os direitos humanos são o foco da minha vida."

 


A ONG que Eliana trabalhou por mais de 20 anos se define como uma "comunhão de igrejas cristãs que há 40 anos luta por direitos no Brasil". JUH ALMEIDA/ESPECIAL PARA O HUFFPOST BRASIL 


“Jogaram-nos em um carro e nos conduziram para um lugar que depois fui descobrir que era o presídio Tiradentes, que hoje foi demolido. Soube que esse lugar era uma prisão ilegal, e eles poderiam desaparecer com as pessoas, fazer o que quisessem… Para lá levavam muitos dos que deveriam desaparecer. Fomos recebidos por homens furiosos formando um corredor, conhecido como corredor polonês. Todos nos dirigiam palavras de baixo calão, nos davam socos e pontapés. Depois também fiquei sabendo que a prisão fez parte da Operação Bandeirante”, conta Rolemberg.

Conhecida como Oban, a Operação Bandeirantes foi criada em 1969 tinha como objetivo investigar e desarticular grupos entendidos como “facções revolucionárias comunistas”, que em sua maioria faziam oposição ao governo. Exatamente o tipo de característica que o grupo de estudantes a qual a socióloga fazia parte continha na visão dos militares. A organização também contava com o apoio de setores da sociedade civil e tornou-se contou com setores da sociedade civil e, assim, tornou-se um pólo de arbitrariedades e violação dos direitos fundamentais à época.

 

"Sempre que alguém saía para interrogatório cantávamos transmitindo esperança e acolhimento na volta."

 

Em 1979, com a Lei da Anistia, pôde, enfim, voltar ao BrasilHUFFPOST BRASIL 

 

Rolemberg ficou presa na mesma cela que a maranhense Damaris Lucena, operária e ativista brasileira. Lucena, junto com os filhos, presenciou o assassinato do marido. Em seguida, também foi presa e torturada. “Ela estava desesperada. Pra ela era um certo alívio saber que eu estava lá, porque eles [torturadores] se ocupariam me torturando e esqueceriam um pouco dela”, lembra Rolemberg, com pesar. “Sempre que alguém saía para um interrogatório cantávamos transmitindo esperança e acolhimento. Era o único jeito”, conta.

Ela lembra que em um momento o pior torturador da prisão fez suposições sobre um resultado possível durante o regime. “Se um dia as coisas virarem, o que vocês fazem comigo? Vocês vão me torturar?”, perguntou. Ela afirma que respondeu ser contra a tortura, e só esperava que ele se arrependesse.

Um tempo depois, a soltura de Damaris e de seus filhos ― que tinham sido encaminhados para o juizado de menores ― foi negociada. Exilada em Cuba, Lucena prometeu a Rolemberg que faria o possível para ajudá-la de alguma forma. “Eu só estou viva hoje graças a ela”, lembra em tom de gratidão. Lucena denunciou à imprensa cubana a prisão ilegal de Eliana, que, pouco tempo depois, foi transferida para outra prisão e que, quando liberta, se exilou na França.

 

"Agora, queremos ir além, com uma Comissão de Memória e Verdade."

 

Durante anos, Rolemberg morou na Europa e trabalhou junto à Divisão da Juventude, da UNESCO.
 JUH ALMEIDA/ESPECIAL PARA O HUFFPOST BRASIL

 

Durante anos, Rolemberg morou na Europa e trabalhou junto à Divisão da Juventude, da Unesco e também foi do Setor de Migrantes e Refugiados do Serviço Civil Internacional (SCI). Retomando o trabalho que tinha sido posto em xeque no Brasil, ela transformou sofrimento em luta, como tantas vezes são obrigadas a fazerem as vítimas de grandes opressões, e continuou dedicando sua vida à luta que considera sua missão.

Em 1979, com a Lei da Anistia, pôde, enfim, voltar ao Brasil. Morando no norte do País, ela acompanhou o que pode ser caracterizado como o renascimento da discussão sobre direitos humanos e democracia. Hoje, com 74 anos e o título de “cidadã baiana” nas mãos, ela coleciona a participação em várias organizações não-governamentais, em especial na CESE (Coordenadoria Ecumênica de Serviço), que esteve à frente até 2013. A ONG se define como uma comunhão de igrejas cristãs que há 40 anos luta por direitos no Brasil.

“Podemos dizer que nós estivemos no nascedouro do movimento nacional dos direitos humanos no Brasil. Acompanhamos o movimento pela terra, o movimento por moradia, direito à cidade... e tudo isso, claro, tinha muita relação com os direitos sociais”, afirma. ”A ideia de que lutar por direitos humanos é defender bandido foi muito bem orquestrada, mas é mentirosa. O ‘anti-esquerdismo’ nasceu quando o povo passou a fazer parte do governo. Direitos humanos não são uma pauta de esquerda, são uma pauta de todos.”

 

Fonte: Huffpost Brasil, 21/01/2019
https://www.huffpostbrasil.com/entry/eliane-rolemberg-ditadura-todo-dia-delas_br_5c40bfd1e4b041e98ffbd191?fbclid=IwAR0Gx98xWKGxzWq6qe8G_cZGNajPIDarr6M1A12pUJW86VTKTz2lz4Geszw 

registrado em:
Fim do conteúdo da página