Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Evento lembra os 40 anos do sequestro de uruguaios em Porto Alegre
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Evento lembra os 40 anos do sequestro de uruguaios em Porto Alegre

  • Publicado: Terça, 13 de Novembro de 2018, 17h45
  • Última atualização em Terça, 13 de Novembro de 2018, 17h48

Lilián Celiberti e o jornalista Luiz Cláudio Cunha participam, nessa segunda-feira, de debate sobre o caso no Memorial do Rio Grande do Sul

 

Lilián Celiberti
Júlia Otero / Agência RBS

 

No dia 17 de novembro de 1978, o jornalista Luiz Cláudio Cunha, então repórter e diretor da sucursal da revista Veja em Porto Alegre, recebeu uma ligação anônima que mudaria não só sua vida, mas salvaria outras quatro e ajudaria a elucidar um dos períodos históricos mais turbulentos da América do Sul.

Motivado pela denúncia feita do outro lado da linha, o repórter Luiz Cláudio Cunha e o fotógrafo J.B. Scalco dirigiram-se até um apartamento onde dois ativistas uruguaios, Lilián Celiberti e Universindo Díaz (mais os dois filhos pequenos dela, Camilo e Francesca), acabavam de ser sequestrados por militares do país vizinho.

Ao trazerem o caso à tona em uma série de reportagens, provocaram a indignação da opinião pública, obrigando a ditadura uruguaia a manter vivos os sequestrados, e expuseram a cooperação entre os serviços secretos das ditaduras do Cone Sul, por meio da chamada Operação Condor. Passadas quatro décadas, Luiz Cláudio Cunha e Lilián Celiberti se reencontram nesta segunda-feira na capital gaúcha para participar de um painel que relembra o episódio.

O encontro integra a programação do evento O Sequestro dos Uruguaios em Porto Alegre: 40 anos Depois, que conta ainda com uma mostra, instalada no segundo andar do Memorial do Rio Grande do Sul (Rua 7 de Setembro, 1.020), que reúne 25 painéis com fotografias da época acompanhadas de textos, além da exposição de documentos do Arquivo Histórico do Estado e da exibição do documentário O Sequestro dos Uruguaios, 15 anos Depois, produzido pela RBS TV em 1993, com direção de João Guilherme Reis e reportagem e apresentação do próprio Luiz Cláudio Cunha.

– Nos momentos de intolerância e autoritarismo, é ainda mais crucial o exercício da livre manifestação do pensamento e a presença de uma imprensa sempre vigilante na defesa dos direitos e das liberdades. Relembrar o acontecimento, 40 anos depois, é relevante para mostrar às novas gerações que, cedo ou tarde, a mentira nunca sufoca a verdade e a ditadura não prevalece sobre a democracia. Resistir é preciso – diz Cunha.

 

Operação condor uniu cinco países na caça a opositores

À época, o sequestro dos uruguaios fez com que Porto Alegre entrasse na rota da Operação Condor – a aliança secreta criada em 1975 pelas ditaduras militares de Argentina, Chile, Brasil, Uruguai e Paraguai para caçar opositores além de suas fronteiras. Perseguidos pela ditadura militar do Uruguai, Lilián e Universindo tentavam se esconder em um apartamento da Rua Botafogo, no bairro Menino Deus, quando foram capturados por policiais gaúchos e agentes uruguaios que tiveram permissão para entrar no território brasileiro.

Não se imaginava que o sequestro era uma ação da aliança secreta, mas a sequência de eventos a seguir confirmou que sim. Ambos foram interrogados e torturados na Capital e, a seguir, levados ao Uruguai, onde escaparam da morte graças às denúncias sobre o caso feitas pela imprensa.

 

3 perguntas para Lilián Celiberti

O chamado “sequestro dos uruguaios” é uma história muito conhecida, principalmente aqui em Porto Alegre, cenário do episódio. Que tipo de reflexão você pretende trazer para a cidade neste evento?

Em primeiro lugar, quero enfatizar a importância do trabalho de memória realizado pelo Arquivo Histórico do RS. A memória não existe apenas uma vez. Ela é fruto de uma reflexão constante sobre o presente e nos interpela a pensar como enquadramos os sucessos do passado na realidade atual. Gostaria de expressar nosso reconhecimento ao que significou para nossas vidas, para a de meus filhos, para mim e para a de Universindo o trabalho dos jornalistas e o trabalho de cidadania da cidade de Porto Alegre, que possibilitou que nos mantivéssemos vivos. O resto das reflexões acontecerão durante o evento.

Nem todos os países latino-americanos que viveram ditaduras civil-militares ou militares possuem políticas de memória eficazes. Como você vê a maneira como o Brasil lida com esse passado?

Acredito que houve uma política de silenciamento do passado, que ocultou sistematicamente o papel das Forças Armadas no golpe e na manutenção da ditadura por muitos anos.

Em manifestações populares recentes no Brasil, apareceram algumas pessoas pedindo a volta do regime militar. A que você atribui esse fenômeno?

O silêncio sobre o passado, o desconhecimento sobre a repressão e sobre o controle autoritário de poder permitem criar um imaginário que atribui a uma ordem superior a capacidade de ordenar a sociedade. O sistema de corrupção no Brasil existiu como política de controle, do qual os militares foram os atores principais. Só o desconhecimento, o esquecimento e a falta de investigação é que tornaram possível construir esse mito.

 

Painel com Lilián Celiberti e Luiz Cláudio Cunha

Painel acontecerá nesta segunda-feira (12), às 18h no Memorial do Rio Grande do Sul, (Rua 7 de Setembro, 1,020, no Centro Histórico – no segundo andar (Sala Múltiplos Usos). Às 16h, antes do painel, será exibido o documentário Kollontai, Anotações de Resistência (Argentina, 2018), com direção e roteiro de Nicolás Méndez Casariego e durante o mês de novembro acontecerá uma exposição com imagens, documentos e textos, além da exibição do documentário O Sequestro dos Uruguaios, 15 anos Depois (1993, cedido pela RBSTV), com direção de João Guilherme Reis. A visitação vai até 2 de dezembro, de segunda a domingo, das 10 h às 20h30, no segundo andar do Memorial do RS (Sala Múltiplos Usos).

 

Fonte: GaúchaZH, 11/11/2018
Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/agenda-cultural/noticia/2018/11/evento-lembra-os-40-anos-do-sequestro-de-uruguaios-em-porto-alegre-cjod7xsuv0czq01pimjkc6qfw.html?fbclid=IwAR0ZHil0nXkfWIJKAYwBKw6PA3LAGSzspcPZqvespb_oT8SZf0dohkFusK0 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página